terça-feira, 9 de maio de 2017

Palestra "Forais Novos do Norte do país: Entre Douro e Minho e Trallos Montes

Cartaz da Palestra sobre Forais Novos no Norte do país

No passado dia 11 de maio, a Biblioteca Municipal de Mondim de Basto acolheu a palestra acima citada, no âmbito do Mês do Livro.

quinta-feira, 9 de março de 2017

DIA DA POESIA E DA ÁRVORE - 21 de março de 2017


Como nascem as árvores e se escrevem os poemas...

Celebração do dia da árvore e da poesia – dia 21 de março de 2017

 



PROGRAMA
Manhã

 Colocação de poemas nas árvores do Campus - das 9h às 12h 

Tarde 

14h e 15m – Peça “Como nascem as árvores”, direção de Paulo Gonçalves – 1.º ano TAP

Local: Jardim e espelho de água – Complexo Pedagógico, Polo I ECHS


 16h – Encenação “Uma Escuridão Bonita” de Ondjaki, por Andreia Santos e Andreia Martins – 1.º ano TAP

Local: Hall piso 1 – Complexo Pedagógico, Polo I ECHS
 

Organização:


com a participação dos alunos do 1.º ano do curso de Teatro e Artes Performativas, do 1.º ano do curso de Línguas, Literaturas e Culturas e do 2.º e 3.º anos do curso de Línguas e Relações Empresariais


Para mais informações: Olinda Santana – osantana@utad.pt - 259350118

domingo, 19 de fevereiro de 2017

A Fotografia No Século XX: Sem Pixel


A exposição de fotografia e aparelhos fotográficos de Isabel Sequeira e Miguel Costa chega à UTAD, no dia 21 de fevereiro. A Mostra pode ser visitada na Galeria da Biblioteca Central da UTAD, até ao dia 31 de março.

Apareça, no dia 21 de fevereiro, na inauguração da Exposição, que acontecerá entre as 14h30 e as 17h30. Terá oportunidade para conhecer e trocar ideias com os fotógrafos e colecionadores de aparelhos fotográficos autores pela exposição.

Isabel Sequeira é a responsável pelo Arquivo Fotográfico da UTAD, Miguel Costa é Repórter de Imagem da SIC.

Fotografia de Isabel Sequeira

 Estagiárias do 3ºano do Curso de Línguas e Relações Empresariais
Juliana Esteves; Maria Bindang

Supervisora de Estágio
Olinda Santana
Membro Grupo Missão Cultura UTAD

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Mostra na UTAD “A Rapariga que vestia livros” de Isabel Ropio

A designer têxtil Isabel Ropio traz à UTAD a Mostra dos seus mais recentes trabalhos, intitulada: “A Rapariga que vestia livros”.

Os seus trabalhos incluem: agendas, diários de viagem, livros de anotações, livros de receitas, listas telefónicas, postais, marcadores, álbuns de fotografias, entre outros. Todos os trabalhos são feitos à mão, são trabalhos exclusivos e idealizados pela autora.

 

A Mostra estará patente no Espaço do Ciclo Cultural, ECHS, Polo 1, piso 0, nos dias 5, 6,7 e 12, 13 e 14 de dezembro.

Venha apreciar os objetos de arte saídos das mãos da designer têxtil, Isabel Ropio.

Facebook “A rapariga que vestia livros.



quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Encontro Internacional sobre Escritas e Vozes Silenciosas

O Encontro Internacional sobre Escritas e Vozes Silenciosas terá lugar nos dias 14 e 15 de novembro de 2016, no Teatrinho na cidade do Peso da Régua.

Com o Encontro Internacional sobre Escritas e Vozes Silenciosas, pretende-se abrir um espaço de reflexão em torno das Escritas Privadas e Familiares e da História Oral. O enquadramento dos silêncios, pela natureza das correspondências trocadas em contexto de mobilidade motivada por conflitos bélicos, exílio político, emigração ou outros cenários, legam-nos elementos úteis ao estudo de várias dimensões da História (social, política, económica, familiar e das mentalidades). O Simpósio reúne especialistas de diferentes países e academias que se têm debruçado, nos últimos tempos, sobre o estudo destas problemáticas.
A organização do Encontro está a cargo da Associação Portuguesa de História da Vinha e do Vinho (APHVIN / GEHVID), (Olinda Santana, Henrique Rodrigues e António Cardoso).

Dia 14 de novembro de 2016 - Teatrinho – Peso da Régua

09h – receção aos participantes
09h 30   Abertura dos trabalhos

Moderador: Prof. António Barros Cardoso – UP, APHVIN / GEHVID
09h50 – 10h10 – De Florbela a Judith – Chris Gerry – UTAD, CETRAD
10h10 – 10h30   Da vida e obra de Mãe Clara: reconstrução de um itinerário existencial e educativo   Ana Sílvia Albuquerque – UPL
10h30 – 10h50 – As cartas pastorais como instrumento de comunicação e de propaganda privilegiada de conservadores e de reformistas na Congregação dos Bernardos na segunda metade do século XVIII. Alguns contributos - Salvador Magalhães Mota - UCP

10h50   Debate

11h00 – 11h20 – Pausa para café

Moderador: Prof. Chris Gerry – UTAD, CETRAD
11h20   11h40 – Escritas e representações de sabores no feminino – Maria Olinda Rodrigues Santana; Ana Margarida Xavier – UTAD, CETRAD, APHVIN / GEHVID, REDAIEP
11h40 – 12h00 – Silêncios na escrita da emigração oitocentista – Henrique Rodrigues – APHVIN/GEHVID / CETRAD

12h   Debate

12h30 – 14h30 – Almoço Livre

15h – Vista Museu do Douro

17h 30m   Fim dos trabalhos do dia

Dia 15 de novembro de 2016 - Teatrinho – Peso da Régua
Moderadora: Prof.ª Maria Beatriz Rocha-Trindade – UAb, CEMRI
09h00 – 09h20 – Poder silencioso e submissão feminina em uma correspondência hispano-argentina – José Monteagudo – UNED, REDAIEP
09h20 – 09h40 – A relevância das escritas silenciosas na condução de uma Instituição Educativa de Braga, nos finais do séc. XIX – Ernesto Português – UL
09h40 – 10h00 – A angústia da distância encurtada pela escrita – troca epistolar no Arquivo do Paço de Calheiros – António Barros Cardoso / Sílvia Trilho - UP/ APHVIN/GEHVID

10h 00 – Debate

10h20 – 11h00 – Pausa para café

Moderador: Prof. José Ignacio Monteagudo Robledo - UNED, REDAIEP
11h00 – 11h20 – Epistolário de e/imigrantes portugueses: escritos e sensibilidades (Portugal-Brasil 1890/1930) - Izilda Matos - USP
11h20 – 11h40 – Memória, culpa e silenciamento do exílio e da deportação – Rui Bebiano – UC, CES
11h40 – 12h00 – Creencias sobre la pared. Problemática y lecturas interpretativas de las epigrafías de tipo religioso en el mundo tradicional – Pedro Javier Cruz - REDAIEP

12h00   Debate

12h30 – 14h30 – Almoço (gentileza da Câmara Municipal do Peso da Régua)

Moderadora: Prof.ª Izilda Matos - USP
14h30 – 14h50 – Quem meus filhos beija, minha boca adoça: cartas das mães na guerra colonial portuguesa: 1961-1974 – Joana Pontes – CEHCP, ISCTE-IUL
14h50 – 15h10   Escritas e silêncios de “madrinhas de guerra”: Abordagem à correspondência feminina com um militar da guerra colonial – Henrique Rodrigues; Daniela Robalo, Francisca Salé, Mónica Neiva - IPVC
15h10 - 15h30 – Nas encruzilhadas da vida, memórias contadas, silêncios guardados – Maria Olinda Santana; Assis Monteiro – UTAD, CETRAD, APHVIN / GEHVID, REDAIEP

15h30 – Debate

15h40   Pausa para café

Moderadora Prof.ª Olinda Santana – UTAD, CETRAD; APHVIN / GEHVID; REDAIEP
15h50 – 16h10   Apontamentos: Uma Viagem a África - 1897-1898 – Beatriz Rocha Trindade – UAb, CEMRI
16h10 – 16h30 – O Divino Silenciado – Lélia Nunes – USC
16h30 – 16h50   A misteriosa “escrita” do Alvão e a origem da Escritura – Mila Abreu – UTAD, CETRAD

17h00   Debate

17h30 – 18h – Correspondência da Quinta da Pacheca (título a confirmar)   Teresa Serpa Pimentel

18h – Porto de Honra

18h30   Encerramento

sábado, 2 de julho de 2016

Defendida tese de mestrado sobre o Mirandês na UTAD

No passado dia 29 de junho, foi defendida em provas públicas a Dissertação de Mestrado em Línguas Estrangeiras Aplicadas, variante de Comércio e Relações Internacionais, intitulada: Cultura Mirandesa ou a revitalização de uma língua em vias de desaparecimento por Margarete Isabel de Almeida Silva.
Câmara Miranda do Douro - 2007


"Resumo


A língua e a cultura mirandesas constituem os pilares do património material e imaterial do Planalto Mirandês tomando esta região, do ponto de vista histórico, linguístico e cultural, como uma oportunidade ímpar de desenvolvimento turístico.


Conscientes de que o turismo é, atualmente, uma das atividades que mais contribui para asobrevivência de numerosos territórios, acreditamos que a atividade turística tira partido económico dos recursos existentes e constitui um importante fator desincentivador do processo de despovoamento. O turismo constitui


per se, uma forma de preservar o património cultural. No trabalho que abordamos, o concelho de Miranda do Douro tem-se vindo a assumir como um território com potencialidades turísticas ao incrementar a oferta turística através de infraestruturas e implementando programas de animação cultural e turística diversificados.


Desta forma, após uma breve apresentação histórica e geográfica da cidade transmontana, pretendemos analisar a importância da língua, da cultura e da etnografia locais propondo, posteriormente, estratégias e propostas que possam promover a região como destino turístico dentro e fora do país. Para o efeito, entendemos fazer uma análise através da recriação de algumas tradições que incentivem e promovam a língua mirandesa por via das suas tradições e memória coletiva, ou seja, na identidade cultural de um povo.


Palavras-chave:

língua e cultura mirandesas, turismo, património material e imaterial".
 
O júri foi composto pelas Professoras Doutoras: Felicidade Morais, diretora do Mestrado em Línguas Estrangeiras Aplicadas, variante de Comércio e Relações Internacionais, Professora Elisa Gomes da Torre, docente e investigadora na UTAD e Olinda Santana, Vice-diretora do Mestrado em Línguas Estrangeiras Aplicadas, variante de Comércio e Relações Internacionais e orientadora da dissertação.
 
Reprodução do documento de elevação de Miranda do Douro a cidade
 
 

sábado, 30 de abril de 2016

VISITA DE ESTUDO - SANFINS DO DOURO, FAVAIOS E ALIJÓ

Casa-Museu Maurício Penha - Sanfins do Douro





 No dia 5 de maio, o 3.º ano do curso de Línguas e Relações Empresarias da UTAD visita Sanfins do Douro, CASA-MUSEU MAURÍCIO PENHA, Favaios, MUSEU DO PÃO E DO VINHO e Vila Chã, Alijó, ANTA DA FONTE COBERTA. 



Anta Fonte Coberta - Vila Chã - Alijó